04 de dezembro de 2018

O indulto de Natal é, na verdade, um insulto de Natal

O indulto de Natal é, na verdade, um insulto de Natal

O indulto de Natal é, na verdade, um insulto de Natal.

O insulto de Natal não se limita a libertar presos com bom comportamento, nem presos por crimes menores… pelo contrário. O insulto de Natal foi escrito sob medida para libertar bandidos da Lava Jato e desestimular novas delações premiadas. Ou seja, o insulto de Natal é um estímulo à criminalidade e uma homenagem à impunidade.

Felizmente, coube à ministra Cármen Lúcia e ao ministro Luiz Fux, do STF, sentar em cima da caridade aos marginais. E, aproveitando o pedido de vistas da Cármen e do Fux, aqui vai um alerta a outros ministros do Supremo, além de políticos, empresários, sindicalistas e banqueiros. Um alerta pra toda essa gente que ainda finge não perceber que um novo Brasil pede passagem, um novo Brasil que não tolera mais o velho Brasil.

Vossas Excelências precisam ler ou reler o que acontecia em Paris antes da Revolução Francesa e em Moscou antes da Revolução Russa.

Nos dois casos, o que havia eram estados de calamidade, imoralidade e irresponsabilidade – muito parecidos com o que temos hoje no Brasil.

Como se sabe, deu no que deu: caos e colapso… cabeças para um lado e corpos para o outro. Isso porque, a ambição dos corruptos pode não ter fim, mas a paciência dos justos tem limite.

Vale lembrar que uma revolução nem sempre ocorre A FAVOR dos pobres, miseráveis e oprimidos. Muitas vezes uma revolução simplesmente ocorre CONTRA privilégios, mordomias e regalias.

A História já provou que o poder do dinheiro não é nada diante do poder da guilhotina. Nesse novo Brasil, quem rouba deve saber agora o pescoço que tem.