ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Sabe tudo sobre o Pix? Confira as dicas para evitar problemas com o novo sistema

27 de outubro de 2020

Sabe tudo sobre o Pix? Confira as dicas para evitar problemas com o novo sistema

RIO – Usuários precisam zelar pelas chaves e senhas cadastradas no sistema.

 

RIO – Com implantação prevista para o dia 16 de novembro, o Pix vai simplificar a vida de quem faz pagamentos e transferências.

Mas se você é uma daquelas pessoas que não estão muito ligadas com o que está acontecendo em torno do Pix e das vantagens que ele pode trazer para o seu negócio ou para a sua comodidade no dia-a-dia e quer evitar fraudes e dores de cabeça, atenção às dicas.

1 – Quando o Pix vai começar a funcionar?

A fase de cadastro das chaves teve início no dia 5 de outubro e as operações envolvendo o sistema de open banking do Banco Central terão início no dia 16 de novembro.

2 – Como cadastrar as chaves?

Para cadastrar a chave de identificação, basta acessar o aplicativo do banco onde você possui conta, procurar o espaço onde está a seção Pix e fazer o registro vinculando número de celular, e-mail, CPF/CNPJ, ou um EVP, uma sequência alfanumérica de 32 dígitos. Esses dados ficarão registrados em uma plataforma operada pelo Banco Central, o Diretório Identificador de Contas Transacionais (CICT).

3 – Pediram sua senha? Desconfie!

Empresas nunca pedem senhas, sejam elas bancos, instituições ou outros. Se pedirem, desconfie – e jamais forneça. Da mesma forma, cuidado com eventuais solicitações de mudança de senha que você não fez. Quando você pede a alteração, recebe um link de confirmação em seu e-mail; se não pediu, não clique em nenhum link.

4 – Como vai funcionar?

O Pix não vai depender do expediente bancário, o que significa que após as 16h (horário de encerramento da maioria das agências) todos os pagamentos e transferências vão cair na conta de quem vai receber o dinheiro. Atualmente os valores só caem instantaneamente em transações no mesmo banco, ou em contas digitais, no mais, os usuários ficam dependendo da transferência eletrônica disponível (TED), que leva duas horas para ser compensada, ou o documento de ordem de crédito (DOC), liquidado apenas no dia útil seguinte.

5 – Não instale programas ou abra arquivos em anexos

Ações desse tipo não fazem parte da operação normal em lojas e estabelecimentos. Por isso, se em algum local isso for pedido para você, desconfie: pode ser uma forma de roubar seus dados.

6 – Veja se o dinheiro foi transferido na hora

Com o Pix, não há mais um prazo de compensação até que o dinheiro caia na conta de destino. Caso você realize uma operação financeira e o dinheiro não apareça na mesma hora na conta que deveria recebê-lo, alguma coisa está errada. Procure o banco para saber o que aconteceu.

7 – O Pix só vai funcionar para quem possuir conta no banco?

Segundo o Banco Central, o consumidor não precisa ter conta em banco para realizar a transferência. Basta abastecer a carteira digital do Pix – que vai funcionar como uma conta digital – para enviar e receber o dinheiro.

8 – Cancele seu cartão se achar necessário

Caso você tenha a suspeita de que seus dados possam ter sido expostos ou divulgados, cancele seu cartão, entre em contato com o banco ou instituição financeira e peça para bloquear suas contas e trocar o seu login.

9 – Não pague pelas transações

Se hoje os bancos cobram taxas para transferências entre pessoas físicas, com o Pix isso não vai mais acontecer. Então, preste atenção se seu banco cobra ou não taxas adicionais nas transferências realizadas pelo Pix, pois elas devem ser totalmente gratuitas. Apenas nos casos de vendas diretas é que existe uma cobrança de taxa. Verifique com sua instituição bancária qual é o valor e evite surpresas.

10 – Familiarize-se com os pagamentos com QR Code

Com o Pix, os QR Codes serão muito utilizados na hora de realizar pagamentos: familiarize-se com eles. O QR Code estático é uma imagem fixa, como um código de barras, e pode ser utilizado diversas vezes, em diferentes transações.

Ele é ideal para lojistas, prestadores de serviço e pessoas físicas: define-se um valor fixo para o produto e sempre que aquele código for lido pelo celular o valor em questão aparece para ser pago.

Fonte: Isto é Dinheiro / Estadão