ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Procurador de MG reclama de salário de R$ 24 mil e chama remuneração de “miserê”

10 de setembro de 2019

Procurador de MG reclama de salário de R$ 24 mil e chama remuneração de “miserê”

BELO HORIZONTE – O procurador Leonardo Azeredo dos Santos, do Ministério Público de Minas Gerais (MP/MG), chamou de “miserê” salário de R$ 24 mil.

Sede do MP de Minas, em Belo Horizonte. Divulgação Ministério Público de Minas Gerais

BELO HORIZONTE – O procurador Leonardo Azeredo dos Santos, do Ministério Público de Minas Gerais (MP/MG), chamou de “miserê” o salário de R$ 24 mil que recebe todos os meses.

A declaração foi feita durante uma reunião realizada no mês passado para discutir proposta orçamentária do Ministério Público do estado para o ano que vem. O áudio foi divulgado através de uma reportagem da rádio Itatiaia. 

Em determinado momento, o procurador questiona com viver com R$ 24 mil, pergunta o que de fato pode ser feito para melhorar a remuneração e diz que não está acostumado com tanta limitação.

Leonardo Azeredo dos Santos fez essas declarações depois de o procurador-geral de Justiça em Minas, Antônio Sérgio Tonet, informar que, caso o estado assine o acordo de recuperação fiscal com o governo federal, não será concedido qualquer reajuste salarial, mesmo que haja aumento dos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Levantamento feito no Portal da Transparência mostra que Leonardo Azeredo recebe remuneração bruta de R$ 35.462,22. Com descontos, o valor vai para cerca de R$ 24 mil. O maior vencimento recebido pelo procurador foi em junho. O valor líquido foi de R$ 50.104,64, mas como ele recebeu indenização e outras verbas remuneratórias, chegou ao valor dá R$ 78.617,66.

Em nota, o Ministério Público de Minas Gerais informou que não há nenhum projeto em andamento sobre adoção de benefícios pecuniários para a carreira de procuradores e promotores de justiça, nem de servidores, em função da grave crise financeira do estado.

Ouça aqui a declaração do procurador Leonardo Azeredo dos Santos: