ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > PF prende deputados da Alerj que apoiavam esquema criminoso de Cabral

8 de novembro de 2018

PF prende deputados da Alerj que apoiavam esquema criminoso de Cabral

RIO – Agentes da Polícia Federal (PF) estão nas ruas do Rio, desde as primeiras horas desta quinta-feira (8), para cumprir 22 mandados de prisão contra 10 deputados estaduais e mais 12 pessoas em um desdobramento da Operação Cadeia Velha, da Lava Jato.

A operação de hoje (8) foi batizada de “Furna da Onça” e exp&otil

Em um dos endereços, agentes apreenderam joias e dinheiro em espécie. Divulgação PF

RIO – Agentes da Polícia Federal (PF) estão nas ruas do Rio, desde as primeiras horas desta quinta-feira (8), para cumprir 22 mandados de prisão contra 10 deputados estaduais e mais 12 pessoas em um desdobramento da Operação Cadeia Velha, da Lava Jato.

A operação de hoje (8) foi batizada de “Furna da Onça” e expõe um esquema de compra de votos com dinheiro de propina e distribuição de cargos iniciado no primeiro governo de Sérgio Cabral, em 2007, e mantido até hoje.

Três dos parlamentares alvo dessa operação de hoje (8) foram presos no ano passado: Jorge Picciani, que está em prisão domiciliar por questões de saúde, Paulo Melo e Edson Albertassi.

Entre os alvos dessa operação também estão Affonso Monnerat, secretário estadual de Governo; André Correa (DEM), deputado estadual reeleito e ex-secretário estadual de Meio Ambiente, que foi preso na Barra, e Chiquinho da Mangueira (PSC), deputado estadual reeleito que também foi preso nas primeiras horas da operação. Além deles três, são alvos da operação “Furna da Onça”: Coronel Jairo (MDB), deputado estadual não reeleito; Leonardo Jacob, presidente do Detran; Luiz Martins (PDT), deputado estadual reeleito; Marcelo Simão (PP), deputado estadual não reeleito; Marcos Abrahão (Avante), deputado estadual reeleito; e Vinícius Farah (MDB), ex-presidente do Detran, eleito deputado federal.

Os agentes cumprem mandados em gabinetes da Alerj e no Palácio Guanabara. Em um dos endereços, agentes apreenderam joias e dinheiro em espécie.

O nome da operação – “Furna da Onça” – é referência a uma sala de reuniões que fica ao lado do plenário da Assembleia Legislativa onde deputados se reúnem para rápidas discussões antes das votações.