Museu Nacional pede colaboração para resgatar acervo destruído pelo fogo

Foto da exposição Arte com Dinossauros, que esteve em abril de 2015 no museu. Arquivo Agência Brasil

RIO – O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, afirmou, em nota oficial, que espera todo o apoio do governo federal diante do incêndio que destruiu a instituição, que fica na Zona Norte do Rio e completou 200 anos no mês de junho. Kellner afirmou que ainda não é possível estimar a perda do acervo, de 20 milhões de itens, entre eles documentos do império, coleções de geologia, paleontologia, botânica e zoologia.

Fundado por Dom João VI, em 1818, o Museu Nacional é a mais antiga instituição histórica do país. No local, estava a maior coleção de múmias egípcias das Américas e 62 meteoritos. Um deles, inclusive, foi registrado por uma equipe de reportagem que está no local. Meteoritos são fragmentos de corpos extraterrestres que sobrevivem a entrada da atmosfera terrestre e às altas temperaturas.

No museu também estava o esqueleto do maior dinossauro encontrado no Brasil e Luzia, o mais antigo fóssil humano encontrado nas Américas, que remete a 12 mil anos.

Pesquisadores e funcionários do Museu Nacional e alunos da Unirio pedem que as pessoas que tiverem fotografias, vídeos e selfies da instituição e do acervo atingido pelo fogo enviem essas imagens para os seguintes endereços de e-mail: [email protected], [email protected] e [email protected].

Leia mais:
Problema em hidrantes colaborou para fogo se alastrar no Museu Nacional