ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Médica da Vale é a primeira vítima identificada do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho

26 de janeiro de 2019

Médica da Vale é a primeira vítima identificada do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho

BRUMADINHO – Foi confirmada a primeira morte por causa do rompimento da barragem Mina do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. A vítima foi identificada como Marcelle Porto Cangussu. Ela era médica e trabalhava na vale desde novembro de 2016.

A barragem da mina do Córrego do Feij&atild

Vista aérea da tragédia em Brumadinho, Minas Gerais. Divulgação Presidência da República

BRUMADINHO – Foi confirmada a primeira morte por causa do rompimento da barragem Mina do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. A vítima foi identificada como Marcelle Porto Cangussu. Ela era médica e trabalhava na vale desde novembro de 2016.

A barragem da mina do Córrego do Feijão se rompeu ontem (25) e fez uma segunda transbordar. Um mar de lama destruiu centenas de casas da região, e os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco.

O presidente, Jair Bolsonaro, sobrevoou a área na manhã deste sábado (26), e o governo federal publicou decreto que institui o Conselho Ministerial de Supervisão de Respostas a Desastre para atuar na região de Brumadinho. Bolsonaro detalhou, numa mensagem postada no Twitter, que o conselho será coordenado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

A finalidade do conselho, de acordo com o presidente, é acompanhar e fiscalizar as atividades a serem desenvolvidas em decorrência do desastre, além de acompanhar as ações de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais afetados, recuperação de ecossistemas e reconstrução.

A mineradora Vale divulgou uma lista com o nome das pessoas que não fizeram contato desde o rompimento da barragem. Segundo a empresa, mais de 400 pessoas, entre funcionários do quadro e terceirizados estão sem contato e podem ser possíveis vítimas do rompimento da barragem. De acordo com a empresa, a lista está sendo atualizada constantemente, conforme as pessoas são localizadas.