ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Mais de 40 pessoas são presas no Rio por envolvimento com grupo paramilitar ligado ao ex-PM e miliciano Orlando Curicica

4 de julho de 2019

Mais de 40 pessoas são presas no Rio por envolvimento com grupo paramilitar ligado ao ex-PM e miliciano Orlando Curicica

RIO – A Polícia Civil faz hoje (4), uma megaoperação em vários pontos do Rio, Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Rio Bonito para cumprir 74 mandados de prisão contra um grupo paralimitar ligado ao ex-PM e miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica.

Sede da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. Reprodução Google Maps

RIO – A Polícia Civil iniciou, nas primeiras horas de hoje (4), uma megaoperação em vários pontos do Rio, Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Rio Bonito para cumprir 74 mandados de prisão contra um grupo paralimitar ligado ao ex-PM e miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, que está preso desde outubro de 2017.

Quarenta e quatro mandados de prisão foram cumpridos nas primeiras horas da ação, sendo que 25 eram contra pessoas que já estavam presas. Entre os alvos da Operação Salvator estão nove policiais militares. Os agentes também cumprem 93 mandados de busca e apreensão.

Um dos 74 alvos da operação conseguiu fugir no início da manhã. O ex-PM Alexandre Louback Geminiani, o Playboy, pulou do quarto andar do prédio onde estava, no Centro de Itaboraí. Ele escapou do cerco, e no apartamento onde ele estava foram encontradas diversas armas.

Já o braço direito de Orlando Curicica, o PM Fábio Nascimento de Souza, o China, foi preso em Rio Bonito. Ele servia à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Borel, na Tijuca, Zona Norte do Rio. O agente foi encontrado em casa, e uma pistola calibre 380 que estava com ele foi apreendida.

Segundo a polícia, o bando de Orlando Curicica aterroriza moradores e comerciantes e lucra pelo R$ 500 mil todos os meses. Chamou a atenção dos investigadores a participação de mulheres no esquema. A elas cabiam tarefas como cobranças de moradores e lojistas.  Uma idosa está entre os presos.

De acordo com investigações da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), a milícia chegou a Itaboraí há pelo menos um ano e meio.