ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Guarda Municipal afasta agentes envolvidos em briga com evangélicos em Copacabana

26 de abril de 2018

Guarda Municipal afasta agentes envolvidos em briga com evangélicos em Copacabana

RIO – A Guarda Municipal do Rio abriu uma sindicância para apurar a conduta dos agentes do Grupamento Especial de Praia na confusão que aconteceu, no final da noite de ontem (25), em Copacabana, envolvendo um grande grupo de evangélicos. Os guardas envolvidos na briga foram afastados temporariamente. Um dos integrantes da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo está internado em estado gra

Foto de pichação feita no Parque Garota de Ipanema, no Arpoador, no último dia 21. Divulgação Guarda Municipal do Rio

RIO – A Guarda Municipal do Rio abriu uma sindicância para apurar a conduta dos agentes do Grupamento Especial de Praia na confusão que aconteceu, no final da noite de ontem (25), em Copacabana, envolvendo um grande grupo de evangélicos. Os guardas envolvidos na briga foram afastados temporariamente. Um dos integrantes da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo está internado em estado grave.

De acordo com a Guarda Municipal, um grupo de cerca de 40 pessoas pichava o Parque Garota de Ipanema, no Arpoador, que estava fechado e foi invadido. Os evangélicos negaram a ação e foram levados para a delegacia de Copacabana. Houve tumulto no caminho e uma briga generalizada em frente à delegacia.

Várias pessoas ficaram feridas e pelo menos 12 precisaram de atendimento médico. Um evangélico sofreu um trauma na cabeça e está internado em estado grave no Hospital Miguel Couto, na Gávea. Ele foi identificado como Jorge Alves de Souza, de 60 anos. Um dos outros feridos é um adolescente de 16 anos.

A Guarda Municipal alega que o mesmo grupo já havia sido flagrado pichando o parque no último dia 21, quando dez sprays foram apreendidos.

A Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo, localizada no Santo Cristo, na Zona Portuária do Rio, coleciona polêmicas. O líder da congregação, pastor Tupirani da Hora Loures, já foi condenado por discriminação religiosa pela justiça do Rio.

Em nota, o Conselho Brasileiro de Ministros e Pastores repudiou o fato e criticou as duas partes envolvidas.