ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Estado do Rio reduz intervalo da 2ª dose da AstraZeneca

13 de julho de 2021

Estado do Rio reduz intervalo da 2ª dose da AstraZeneca

RIO – Prefeitura da capital estuda a possibilidade para população mais jovem e diz que antecipação não será para idosos e pessoas com comorbidades.

Divulgação Prefeitura do Rio

RIO – O governo do Rio decidiu reduzir o intervalo da segunda dose da vacina da AstraZeneca de 12 para 8 semanas. A Secretaria Estadual de Saúde explicou que o objetivo é acelerar ainda mais o esquema vacinal, já que os municípios têm estoque disponível do imunizante para a 2ª dose. A nova recomendação será encaminhada aos municípios nesta terça-feira (13).

Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda 12 semanas de intervalo, mas o prazo foi encurtado por gestores que buscam ampliar a proteção da população contra a variante delta do coronavírus.

O secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, disse, na manhã de hoje (13), que a capital fluminense não vai antecipar a 2ª dose da vacina AstraZeneca, como orientado pelo governo estadual, para idosos a partir de 60 anos e pessoas com comorbidades. Já para a parcela da população mais jovem, o Comitê Científico da Prefeitura do Rio ainda avalia se haverá mudança no protocolo.

“No Município do Rio a gente está acompanhando a bula da vacina e a recomendação do Ministério da Saúde. A vacina AstraZeneca tem 80% de eficácia quando o intervalo de aplicação é de 12 semanas ou mais. Quando você reduz esse intervalo para oito semanas, a eficácia da vacina vai para 59%. A gente perde 20% de eficácia na proteção individual para aquela pessoa. Então, a gente ainda está avaliando”, disse o secretário. 

“Não faremos isso para quem tem mais de 60 anos e para as pessoas com comorbidades. Manteremos o intervalo de 12 semanas para ganhar na eficácia da vacina. É muito importante seguir a bula. Pode ser que a gente pense em reduzir esse intervalo para as populações um pouco mais jovens. Mas para os idosos com mais de 60 anos e para quem tem comorbidades, eu não recomendaria isso para nenhum paciente meu. Eu manteria o intervalo de 12 semanas porque é o intervalo de maior eficácia para a vacina AstraZeneca. Essa é a posição da prefeitura”.