ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Bolsonaro exonera Gustavo Bebianno

18 de fevereiro de 2019

Bolsonaro exonera Gustavo Bebianno

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir o ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno. A demissão foi anunciada pelo porta-voz da Presidência da República na tarde desta segunda-feira (18). Otávio Rêgo Barros leu uma nota da Presidência dizendo que Bolsonaro agradeceu a ‘dedicação’ de Bebianno durante a permanência no cargo. O presidente também

Foto: Agência Brasil - EBC

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir o ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno. A demissão foi anunciada pelo porta-voz da Presidência da República na tarde desta segunda-feira (18). Otávio Rêgo Barros leu uma nota da Presidência dizendo que Bolsonaro agradeceu a ‘dedicação’ de Bebianno durante a permanência no cargo. O presidente também desejou ‘sucesso’ ao agora ex-ministro.

Bebianno foi um dos coordenadores da campanha presidencial de Jair Bolsonaro no ano passado. A demissão do ministro acontece em meio a uma crise no governo gerada pela suspeita de que o PSL, partido de Bolsonaro e Bebianno, teria usado ‘candidaturas laranjas’ nas eleições do ano passado.

Otávio Rêgo Barros disse que a decisão de Bolsonaro de demitir Bebianno é de ‘foro íntimo do nosso presidente’. De acordo com o porta-voz o substituto de Bebianno será o general da reserva Floriano Peixoto Neto.

Logo após o anúncio da exoneração do ministro Gustavo Bebianno, o presidente Jair Bolsonaro divulgou um vídeo em que elogia o trabalho do ex-braço direito na campanha eleitoral de 2018. Na gravação, o presidente agradece o empenho de Bebianno à frente da direção nacional do PSL e ressalta que acredita na seriedade do trabalho do agora ex-ministro.

No vídeo, Bolsonaro diz, também, que pode ter havido incompreensões e questões mal entendidas de parte a parte. Bolsonaro atribuiu a exoneração a ‘diferentes pontos de vista sobre questões relevantes’ que teriam vindo à tona desde a semana passada. Sem explicar quais seriam as divergências, o presidente disse não serem adequados ‘pré-julgamentos de qualquer natureza’.