Família de Michael Jackson critica “Leaving Neverland”

Durante o final de semana, o documentário de 4 horas "Leaving Neverland", que traz depoimentos de homens que garantem terem sido abusados pelo Rei do Pop, foi exibido no Festival Sundance, nos Estados Unidos. 

A produção mostra, em especial, a história de dois homens que alegam terem sido abusados por Michael Jackson durante as suas infâncias. Nesta segunda, 28, a família do cantor emitiu um comunicado criticando o documentário e dando seu posionamento sobre a exibição. Confira:

"As pessoas sempre amaram atacar o Michael. Ele era um alvo fácil porque era único. Mas, Michael foi sujeito à uma investigação que incluiu inspeções surpresas em Neverland e em outras propriedades, assim como um julgamento no qual Michael foi considerado completamente inocente. Nunca houve qualquer pedaço de prova de algo. Ainda assim, a mídia anseia em acreditar nessas mentiras", assinalou a família.

Morrissey ganha versão de boneco colecionável
Maroon 5 é confirmado como atração do Super Bowl
Ouça "Rock The Rock", a nova música de Axl Rose

"Nós não podemos ficar parados enquanto esse linchamento público continua e urubus no Twitter e de outros lugares, que nunca conheceram Michael, ataquem-o. Michael não está aqui para se defender, de outra forma essas alegações nunca teriam sido feitas", continuou a família.

Representantes e fãs do astro fizeram campanhas contra a exibição nas redes sociais e afirmando que o filme era uma "tentativa patética de explorar e tirar proveito de Michael Jackson". O diretor Dan Reed defendeu seu documetário.

"Se existe algo que aprendemos durante esse tempo em nossa história é que o abuso sexual é complicado e as vozes dos sobreviventes devem ser ouvidas", afirmou em comunicado.

O filme será exibido no canal HBO, mas ainda sem data oficial para estreia.