Rio tem 27 de 100 batalhões com ocupação de parentes dos PMs

Familiares de policiais militares permanecem nas portas de 27 dos 100 batalhões do Estado do Rio de Janeiro neste domingo (12). Apesar da mobilização, segundo o Comando da Corporação as viaturas e PMs envolvidos no policiamento estão nas ruas, descartando uma paralisação semelhante a que ocorre no Espírito Santo. As rendições, quando necessárias, estão sendo realizadas fora dos batalhões ou em outras unidades que não tenham a entrada bloqueada. No sábado (11), uma reunião entre as partes terminou sem acordo. Os parentes reivindicam o pagamento do 13º salário, dos valores referentes a metas atrasadas e da gratificação pelo trabalho durante os Jogos Olímpicos. De madrugada, dois policiais militares trocaram tiros na porta do 12º Batalhão, em Niterói. Segundo o comandante da unidade, Tenente-Coronel Márcio Rocha, um dos PMs é lotado no Ministério Público, passava de carro quando ouviu tiros e viu um homem armado, imaginando que fosse um criminoso, mas era um sargento à paisana. O sargento, ferido nas costas, foi atendido em um hospital particular de Icaraí e tem quadro de saúde estável. Apesar do confronto, três mulheres e uma menor permanecem ocupando a porta do 12º Batalhão. O caso foi registrado na 76ª DP. O Ministério Público vai acompanhar a investigação.