ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Sobre valores, princípios e professores

Eu concordo com os ministros do STF. Eu também concordo com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Eles e ela defendem o estado democrático de direito e dizem que é importante cultivar o respeito às instituições brasileiras. Eu concordo com todo mundo que defende o estado democrático de direito e acha importante cultivar o respeito às instituições brasileiras.

Mas não adianta defender isso ou aquilo e dizer que assim ou assado é importante, sem levar esses valores e princípios de volta à escola.

Daí que uma das palavras da moda é “empoderar”… fala-se muito em empoderar as mulheres, empoderar os homens, empoderar as mulheres que querem ser homens e empoderar os homens que querem ser mulheres. Tudo ok, ótimo, sem problema. Mas não podemos esquecer que precisamos também empoderar os professores e as professoras – eu me refiro aos professores e professoras que só querem dar aulas – aulas sem contaminação política e sem doutrinação ideológica.

São os professores e as professoras, que só querem dar aulas, que vão ensinar os alunos e alunas a aprender desde cedo os valores do estado democrático de direito e compreender desde cedo os princípios essenciais das instituições brasileiras. O próprio respeito às minorias, às diferenças e às diversidades é um ensino fundamental que precisa voltar a nascer do chão de escola.

Para tudo isso, porém, aos mestres, com carinho, estamos todos devendo salários com dignidade. Não há empoderamento maior do que remunerar bem os bons profissionais da educação… principalmente aqueles que levamos para sempre na memória.

Dedico esse comentário à minha eterna “Tia Yolanda”, da Escola Municipal Suécia, um colégio público até hoje escondidinho ali em Pilares.