O desafio da comunicação e do convencimento

Eu já falei aqui duas ou três vezes, mas não custa nada repetir. O melhor caminho para o novo governo enfrentar os grandes desafios do país é o da boa comunicação.

Eu falo de uma comunicação estratégica, sintonizada, afinada e refinada – afinada com as diretrizes e as prioridades do governo e refinada com as expectativas e as esperanças da sociedade.

Além de expectativas e esperanças, é preciso ter em mente o “convencimento” da sociedade. A sociedade não é contra medidas duras, difíceis ou impopulares, mas a sociedade precisa ser convencida de que essas medidas são necessárias.

Para isso, além de ministros de alta confiança e de notável competência, o presidente Jair Bolsonaro precisa se cercar de profissionais de comunicação também de alta confiança e de notável competência.

Por melhor que seja, um plano bom não sobrevive a uma comunicação ruim… e é muito ruim que o governo tenha mil planos, mil porta-vozes, mil versões e mil direções.

Os problemas são imensos, a prioridades são muitas, mas nenhum problema e nenhuma prioridade poderá avançar
na base do disse-me-disse, disse-não-disse ou disse-e-desdisse.

Daí que, em algum momento, o presidente terá que intervir para separar a razão da confusão (e ele mesmo decidir de que lado estará). Isso porque a confusão não pode vencer, em momento algum.

* E, justamente para tentar separar a razão da confusão, eu estarei hoje numa live com ouvintes pelo Facebook da JBFM. Se você tiver chance, a gente se encontra mais tarde, a partir das 11 e MEIA. Até lá.