ouça
ao vivo

botão de play

Tocando agora

...

...

Home > Notícias > Lava Jato prende ex-presidente da Alerj e empresário por suspeita de fraude na área de saúde

14 de maio de 2020

Lava Jato prende ex-presidente da Alerj e empresário por suspeita de fraude na área de saúde

RIO – A PF encontrou R$ 21 mil em espécie num dos endereços visitados na Operação Favorito.

A PF encontrou R$ 21 mil em espécie num dos endereços. Divulgação Polícia Federal

RIO – A Polícia Federal prendeu, na manhã de hoje (14), em mais uma etapa da Lava Jato no Rio, o ex-presidente da Alerj Paulo Melo, o empresário Mário Peixoto e outras três pessoas. Agentes foram para as ruas na Operação Favorito, montada para desmantelar uma organização criminosa que teria desviado R$ 3,9 milhões dos cofres públicos em compras superfaturadas na área de saúde.

Mário Peixoto foi preso em uma mansão em Angra dos Reis, na Costa Verde. Ele é dono de empresas que têm contratos com os governos federal e estadual, desde a gestão de Sérgio Cabral. O empresário e Paulo Melo já foram sócios.

O ex-deputado estadual já tinha sido preso em uma etapa anterior da Lava Jato no Rio. Paulo Melo foi capturado em casa, onde cumpria prisão domiciliar desde o fim de março, com a decisão que beneficiou detentos com sintomas do novo coronavírus.

Em um endereço no Rio, os agentes encontraram R$ 21 mil em espécie (foto). Duas pessoas foram presas no Rio de Janeiro e uma em Saquarema. 

Essa ação de hoje (14) é um desdobramento das operações Quinto de Ouro e Cadeia Velha, que investigam superfaturamentos em obras do governo do estado há mais de 10 anos.  A PF afirma que o esquema pagou vantagens indevidas a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) atualmente afastados, deputados estaduais e outros agentes públicos, através do fornecimento de mão-de-obra terceirizada para o estado e órgãos vinculados.

Os investigadores da Lava Jato ainda descobriram que pessoas ligadas a Mário Peixoto trocaram informações sobre compras dos hospitais de campanha montados para enfrentar a pandemia de Covid-19 no Rio de Janeiro. O alvo seriam as unidades do Maracanã, São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Campos e Casimiro de Abreu.