Temer aceita demissão de secretário que disse que deveria haver uma chacina por semana nas penitenciárias

O ex-secretário da Juventude, Bruno Júlio, ao lado de Michel Temer. Foto: reprodução Facebook

O ex-secretário da Juventude, Bruno Júlio, ao lado de Michel Temer. Foto: reprodução Facebook

BRASÍLIA – O secretário Nacional de Juventude, Bruno Júlio, pediu demissão após dar uma declaração polêmica sobre as chacinas nos presídios de Roraima e Manaus. A assessoria do Palácio do Planalto informou que o pedido foi aceito pelo presidente da República, Michel Temer. Bruno Júlio, que é filiado ao PMDB, havia sido nomeado para a secretaria em junho. Ele afirmou que tinham que ter matado mais presos e que deveria haver uma chacina por semana nas penitenciárias. Antes de pedir de demissão, Bruno divulgou uma declaração em sua página pessoal no Facebook afirmando ter falado “como cidadão, em caráter pessoal”. “Está havendo uma valorização muito grande da morte de condenados, muito maior do que quando um bandido mata um pai de família que está saindo ou voltando do trabalho”, escreveu o secretário.

RÁDIO JBFM 99.9 - Rio de Janeiro
1