STJ concede prisão domiciliar a Adriana Ancelmo, ex-primeira dama do Rio

RIO – A ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu uma liminar autorizando a prisão domiciliar de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral. A decisão, de caráter provisório, restabelece o que havia sido decidido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, até que o julgamento do habeas corpus da ex-primeira dama seja concluído. Bretas estabeleceu várias condições para que Adriana fosse para a prisão domiciliar. Uma dessas condições é de que ela deverá ficar em um imóvel sem linha telefônica e sem acesso à internet, por exemplo. Por causa dessa exigência, a ex-primeira-dama do Rio ainda deve passar este fim de semana presa em Bangu 8, no Complexo de Gericinó. Antes de a ex-primeira-dama ir para casa, o apartamento dela deverá ser vistoriado pela Polícia Federal, que verificará se não há no imóvel nenhum aparelho de comunicação, como celulares e computadores, além de linhas telefônicas e acesso à internet. Adriana Ancelmo é acusada dos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro e está presa desde dezembro do ano passado.