PF faz operação contra venda ilegal de carnes e irregularidades na fiscalização de frigoríficos das principais empresas do setor

Foto: Divulgação da Polícia Federal da operação "Carne Fraca"

Foto: Divulgação da Polícia Federal da operação "Carne Fraca"

SÃO PAULO – A Polícia Federal deflagrou, no início desta manhã, a “Operação Carne Fraca” criada com o objetivo de desarticular uma organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio. Ao todo são 309 mandados judiciais que estão sendo cumpridos em sete estados brasileiros, entre eles Minas, Paraná e São Paulo. A operação já prendeu executivos dos grupo JBS, que controla marcas como Friboi e Seara, e BRF, que detém marcas como Sadia e Perdigão. De acordo com as investigações, superintendências regionais do ministério da pesca e agricultura do estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público. Funcionários do Ministério também já foram detidos. A decisão também prevê o bloqueio de contas bancárias e de aplicações financeiras de até R$ 1 bilhão e o bloqueio de outros bens (sequestro e arresto) de 46 pessoas. Foram encontradas irregularidades como reembalagem de produtos vencidos e venda de carne imprópria para consumo humano. A Polícia Federal informou que a “Operação Carne Fraca” é a maior já realizada pela instituição em toda a sua história.