Maria Bethânia

maria-bethania

No dia 18 de junho de 1946, em Santo Amaro, interior da Bahia, veio ao mundo a cantora com a maior quantidade de discos vendidos na história da Música Popular Brasileira. São mais de 26 milhões de cópias

Sexta filha de José Teles Veloso e Claudionor, ela já nasceu com um nome inspirado em uma canção. Maria Bethânia, nome escolhido pelo irmão Caetano Veloso, foi inspirado na valsa do compositor Capiba, sucesso na voz de Nelson Gonçalves.

Na infância, Bethânia queria ser atriz, apesar de já demonstrar o dom para a música. Jovem, participou de shows semi-amadores ao lado de Tom Zé, Gal Costa, Caetano e Gil.

Em 1963, estreou, como cantora, na peça “Boca de Ouro”, do polêmico Nelson Rodrigues. Mas a data oficial da estreia de Bethânia no palco acontece em 13 de fevereiro de 1965, quando foi convidada para substituir a cantora e violinista Nara Leão no show “Opinião”. Nesse mesmo ano, foi contratada por uma gravadora, lançando o primeiro disco no mês do aniversário, intitulado Maria Bethânia.

A canção de protesto “Carcará” estourou nas paradas de sucesso, assim como as composições “Rosa dos Ventos”, “Olho nos Olhos”, “Fogueira”, “Ronda”, “As Canções que Você Fez para Mim”, entre outras. Todas na voz da cantora Número 1.

Idealizadora do lendário grupo “Doces Bárbaros”, lançou o disco de mesmo nome em 76, junto com a mesma turma, que incluía seu irmão Caetano Veloso, Gilberto Gil e Gal Costa. Apesar de ter sido muito criticado por ser, na década de 70, um grupo hippie, ao longo dos anos foi tema de filme, DVD, enredo de escola de samba e até se apresentaram para a rainha da Inglaterra. Esse disco é considerado uma obra-prima da MPB.

Bethânia foi a primeira cantora a vender mais de um milhão de cópias em um único disco, Álibi, de 1978.

Em 1990, a cantora comemora os 25 anos de carreira com o LP 25 anos, cujo o repertório evoca diversas culturas brasileiras e canções consagradas, com as participações de João Gilberto, Gal, Hermeto Paschoal, Almir Sater, a bateria da Mangueira e outros. Esse era o início da gravação de discos acústicos, que se repetiria em 92.

Em 1993, o sucesso de vendagem, com mais de um milhão de cópias, do lançamento de “As Canções que Você Fez Pra Mim”, um tributo aos cantores e compositores Roberto e Erasmo Carlos.

Chamada pelo Rei, carinhosamente, de Minha Rainha, Bethânia revolucionou a forma de fazer espetáculos no Brasil, por intercalar músicas com poemas, criando assim, um estilo próprio, fazendo lembrar peças teatrais.

Em 2001, lança “Maricotinha ao vivo”, comemorativo dos 35 anos de carreira, que traz regravações de antigos sucessos.

Em 2003, lança o seu próprio selo, denominado “Quitanda”, com o objetivo de gravar com um menor apelo comercial e lançar artistas que admira, como Mart’Nália e Dona Edith do Prato.

Em 2005, é lançado o filme documentário sobre sua vida e obra, que se chama “Maria Bethânia, Música é Perfume”.

Em 2006, foi a grande vencedora do Prêmio Tim de Música e ganhou em três categorias: melhor cantora, melhor disco, e melhor DVD. Nesse mesmo ano, lança dois álbuns simultaneamente: “Pirata, onde canta rios do interior do Brasil” (considerado pela crítica uma espécie de retomada de Brasileirinho, lançado em 2003), e “Mar de Sophia”, onde canta o mar a partir de versos da poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner.

Outros álbuns de Maria Bethânia são lançados, todos com ótima aceitação do público e crítica, como o “Tua” e “Encantaria”, lançados em 2009 simultaneamente. O primeiro apresenta uma temática romântica, com composições de Arnaldo Antunes, Adriana Calcanhoto e a participação de Lenine. O segundo traz a participação de Caetano Veloso e Gilberto Gil, na faixa “Saudade Dela”, além de uma música composta por Vanessa da Mata.

Em 2010, lança o Ao Vivo “Amor Festa, Devoção”. Em 2012, a cantora lançou “Oásis de Bethânia”, e um ano depois, em 2013, a cantora lançou o DVD “Carta de Amor”, que traz uma turnê baseada no disco “Oásis de Bethânia”.

Em 2015, foi a maior vencedora da 26º edição do Prêmio da Música Brasileira, ano em que completou 50 anos de carreira.

Este ano, Maria Bethânia foi homenageada pela escola de samba Estação Primeira de Mangueira, que desfilou na Marquês de Sapucaí com o enredo “Maria Bethânia, a menina dos olhos de Oyá”. A escola sagrou-se campeã do carnaval.

Nossa homenagem este mês é para Maria Bethânia Viana Teles Veloso, que ninguém duvida que é mesmo uma rainha. São diversos discos e DVDs lançados, participações, livros e filmes com sua trajetória.

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

RÁDIO JBFM 99.9 - Rio de Janeiro
1