Justiça revoga prisão domiciliar e Adriana Ancelmo continuará presa em Bangu

RIO – O Tribunal Regional Federal da Segunda Região revogou a prisão domiciliar que tinha sido concedida à ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal. A decisão atende a um recurso do Ministério Público e manterá Adriana presa no Complexo Penitenciário de Bangu, onde também está o marido dela, o ex-governador Sérgio Cabral. O juiz Marcelo Bretas, ao conceder a prisão domiciar, agora revogada, à primeira-dama, entendeu que os filhos de 11 e 14 anos de Adriana e Cabral não poderiam ficar sem o pai e sem a mãe ao mesmo tempo. Mas o desembargador Abel Gomes, do TRF, justificou que o benefício poderia criar expectativa para as demais mulheres presas até hoje e não contempladas pela concessão da prisão domiciliar.