Temer cancela agenda oficial desta quinta-feira

Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

BRASÍLIA – Os donos da exportadora JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, relataram às autoridades brasileiras que receberam ameaças de morte e foram autorizados a deixar o país. Os dois disseram em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravaram o presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, depois que ele foi preso na Operação Lava-Jato. Segundo o colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, a gravação foi feita por Joesley na noite do dia 7 de março deste ano. A assessoria da Presidência da República divulgou uma nota informando que Michel Temer se reuniu com o dono da JBS, no começo de março, mas “jamais” tentou evitar a delação de Eduardo Cunha. Os compromissos oficiais desta quinta-feira (18) do presidente foram cancelados para que Temer se reunisse com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, alguns ministros e auxiliares no Palácio do Planalto. Nesta reunião está sendo avaliada a possibilidade de um pronunciamento do presidente em rede nacional de rádio e TV nas próximas horas.