Greve dos rodoviários fracassa no Rio, mas dezenas de escolas públicas e particulares estão fechadas

Foto: Colégio Pedro II Unidade do Humaitá. Reprodução TV

Foto: Colégio Pedro II Unidade do Humaitá. Reprodução TV

RIO – O presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro admitiu que fracassou a paralisação de 24 horas da categoria, prevista para hoje, como protesto pelo projeto de reforma da Previdência. Segundo Sebastião José, não houve adesão ao movimento por falta de consciência por parte dos profissionais. Metrô, trem, barcas e VLT também estão operando normalmente desde cedo na cidade do Rio. O protesto desta quarta-feira conta com a adesão das categorias da Educação em todo o estado. De acordo com o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio, além da rede estadual, professores e servidores municipais vão aderir ao movimento, entre eles os profissionais dos Colégios Pedro II e Cefet. Na rede particular, pelo menos 60 escolas anunciaram que fariam parte da paralisação contra a reforma da Previdência entre elas o Colégio Santo Inácio, em Botafogo. Já em São Paulo a situação é outra. Além da paralisação parcial de ônibus e metrô, a capital paulista amanheceu com manifestações contra a reforma da Previdência em algumas vias, congestionando longos trechos. A cidade de São Paulo bateu o recorde de lentidão por volta das 8h, quando o congestionamento chegou a 139 km. O recorde anterior foi no dia 22 de fevereiro, com 104 km de lentidão. E vale informar ainda que manifestantes ligados a movimentos sociais interditaram vias no Grande Recife, agora pela manhã, e o metrô de Belo Horizonte não está funcionando.