Aliado do governo considera ‘condenável’ dar ministério a Moreira Franco

Imagem: Agência Brasil

Imagem: Agência Brasil

BRASÍLIA – O presidente Michel Temer deu posse aos três novos ministros do governo: Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência, Antonio Imbassahy, da Secretaria de Governo, e Luislinda Valois, de Direitos Humanos. A cerimônia foi no Palácio do Planalto. O atual ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, também foi empossado porque a pasta teve o nome alterado e as funções “ampliadas”. Agora passa a se chamar Ministério da Justiça e da Segurança Pública. O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado, que é aliado do governo, criticou, por meio de sua assessoria de imprensa, a criação da Secretaria-Geral da Presidência, que conferiu status de ministro a Moreira Franco. Na opinião de caiado, criar um novo ministério para o peemebista foi uma prática “condenável”. Com o novo status, Moreira Franco, que é citado em delação da Lava Jato, passa a ter foro privilegiado. Assim, só pode ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal. Moreira Franco disse que sua nomeação não teve outra intenção que não a de “fortalecer” a Presidência da República.